Incêndios florestais: 120 Equipas de Intervenção Permanente a partir de Junho

Sexta, 15 Maio 2009 07:21 Gabinete de Sistemas de Informação
Versão para impressão
IncendioFlorestal04 O combate aos incêndios florestais vai contar, a partir de Junho, com 120 Equipas de Intervenção Permanente, constituindo um reforço de 300 homens no dispositivo relativamente ao ano passado, disse hoje o secretário de Estado da Protecção Civil.
"Estamos a contar que a maior parte das 120 Equipas de Intervenção Permanente (IEP) estejam prontas a 18 de Junho", disse à agência Lusa José Miguel Medeiros, a propósito do início sexta-feira da fase "Bravo", a segunda mais crítica do combate a incêndios florestais.

Segundo o secretário de Estado, as EIP, destinadas a operações de protecção e socorro, vão estar operacionais no Verão, durante a fase mais crítica de fogos, o que representa um reforço de 300 operacionais e um aumento de 80 equipas face ao ano passado.
As IEP, criadas nos concelhos considerados de "maior risco", são compostas por cinco elementos e ligadas aos corpos de bombeiros, têm como missões combater incêndios, socorrer as populações em caso de qualquer catástrofe e acidente grave, além de colaborarem com outras actividades de protecção civil.
Estas equipas funcionam durante todo o ano e no período de incêndios florestais constituem mais um reforço para o combate.
O secretário de Estado adiantou que estão a terminar a formação bombeiros "Canarinhos", pelo que no Verão esta Força Especial de Bombeiros terá um total de 250 homens. Também o Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) da GNR foi reforçado este ano.
"Entre Canarinhos e GIPS há cerca de 1.000 homens", disse José Miguel Medeiros.
O governo considerou que o objectivo é "caminhar para uma profissionalização que permita manter o voluntariado" para que "o socorro seja mantido em todas as circunstâncias".
"O importante é que exista um socorro base garantido profissionalmente em todo o país. Os GIPS, Canarinhos e EIP são a resposta", salientou.
A fase "Bravo" de combate a incêndios florestais, que se inicia sexta-feira e termina a 30 de Junho, vai mobilizar 6.159 elementos, 1.623 veículos e 24 meios aéreos, além de estarem em funcionamento 66 postos de vigia.
O reforço do dispositivo acontece a 01 de Julho com a fase "Charlie" - época mais crítica em fogos florestais, que se prolonga até 30 de Setembro.
Para este período vão estar operacionais 9.830 elementos, a maioria dos quais bombeiros, 2.276 viaturas, 56 meios aéreos e 236 postos de vigia da GNR.
"Posso garantir ao país que estamos em condições de responder aos incêndios florestais como respondemos no ano passado e há dois anos", disse o secretário de Estado, adiantando que "tudo foi feito do ponto de vista dos meios disponibilizados, recursos financeiros, humanos e técnicos".
Segundo José Miguel Medeiros, este ano o dispositivo não apresenta grandes "novidades" relativamente ao Verão de 2008, sofrendo apenas "pequenos ajustamentos" na colocação de helicópteros e de efectivos.
"Até que enfim que estabilizámos um dispositivo. Um dos problemas do passado é que se estava sempre a mexer em tudo. Estava sempre tudo mal e nunca se fazia uma avaliação", sublinhou.
Segundo o governante, o "dispositivo está a consolidar-se" progressivamente desde 2007".
No ano passado, a área ardida resultante de incêndios florestais diminuiu cerca de um quarto relativamente a 2007.
Este ano ainda não há dados oficiais sobre a aérea ardida, mas só no mês de Março, de acordo com a Autoridade Nacional de Protecção Civil, deflagraram perto de 4.000 incêndios e entre os dias 14 e 31 ocorreram 3.348 fogos.

Fonte: Jornal Bombeiros de Portugal, da Liga dos Bombeiros Portugueses

 


Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda mais informações, consulte a nossa Política de Cookies.

  1. Siga-nos no Facebook Siga-nos no Facebook
  2. Siga-nos no Twitter Siga-nos no Twitter
  3. Siga-nos no Youtube Siga-nos no Youtube
  4. Siga-nos na Wikipedia Siga-nos na Wikipedia
  5. Siga-nos por RSS Feeds Siga-nos por RSS Feeds
  6. Siga-nos no Flickr Siga-nos no Flickr
  7. Siga-nos no Issuu Siga-nos no Issuu
  8. Siga-nos no Instagram Siga-nos no Instagram